: : Ensaio com VWs e amigos : :

"Lembra-te de quem és e não daquilo que possui, pois teu caráter e dignidade são moldáveis. Tua alma não."
Quando li/ouvi esta sentença pela primeira vez me peguei a pensar por dias a fio sobre o como somos mutáveis. O estilo de roupa, o corte de cabelo, o gosto musical, as amizades ao longo da vida... muitas coisas mudam para que possamos nos adequar ao meio em que vivemos, mas aquilo que admitimos como raiz é algo que nem mesmo o maior dos tempos consegue fazer-nos modificar: Nossa alma.

Aprendemos a amar novamente outra garota, outro animal de estimação, outros amigos, outros carros... mas aquela lembrança do que um dia nos fez bem prevalecerá enraizado para solidificar nossos passos. "Leve de mim só o que for bom..."











Confesso não ter sofrido ou chorado com a partida da Gorete (meu ex-Fusca'76). Talvez pelas circunstâncias às quais fomos submetidos, à situação em que vivia ou mesmo pela proximidade em que ela se encontra. Vai saber...
Ainda assim, confesso ainda que sinto saudades dela, dos passeios, das encrencas, das buzinadas na rua, das vindas para o trabalho, das novas peças e das montagens e desmontagens inenarráveis. Mas ela foi embora por um bom motivo e não deve voltar.

Dane-se. Ela se foi, mas nestes seis anos (ou mais) em que estivemos juntos muita coisa mudou. Não só com ela que era um trapo fadado à ferrugem, mas também comigo. Conheci novas pessoas, cativei novos amigos, aproximei ainda mais daqueles que estavam por aqui e também despedi-me de alguns que não me faziam tão bem. Existem coisas que só um carro antigo faz por você.

Nas encruzilhadas da vida, deparei-me com alguns amigos que compartilhavam o mesmo gosto e tem em comum a grande vontade de curtir sempre seus carros. Uns mais velhos, outros mais novos. Uns mais altos, outros mais baixos. Uns mais rápidos, outros que vagueiam... Numa destas, vagamos e vagabundeamos numa tarde por Brasília.

Para quem não conhece, o entardecer de Brasília é tido como um dos mais belos do país por conta do planalto. A luz espalha-se ao longe e parece querer brigar com a noite para que a deixe ficar só por mais cinco minutinhos. De um lado nos despedíamos do sol sob um céu alaranjado que em seus últimos esforços lançava sobre nós e os VWs seus últimos raios. Enquanto do outro lado éramos abraçados e acolhidos pela noite que vinha chegando de mansinho, como quem não quer nada, deixando o céu azul escuro à medida que acelerávamos de encontro com outros amigos.







As fotos servem de registro e altivam as lembranças, desenferrujam os sentidos e a percepção enquanto o momento reforça laços de amizades com pessoas que ajudam e ajudaram em projetos (automotivos e de vida). Com o tempo, pretendo fazer uma sessão individual com cada um dos carros e postar em matérias específicas aqui no blog, afinal, este antro ainda sobrevive!

Vida longa aos carros antigos que nos permitem compartilhar momentos únicos com um bando de filhos da puta que arrancam sorrisos a cada acelerada!








Grande abraço, amigos!